4º Tr 2020 Expressão - O pentateuco visto de cima - Professor

R$5.00

Expressão – 4º trimestre 2020  ©  Editora Cultura Cristã O Pentateuco visto de cima Primeiros passos na história da Redenção   Lição 1   |   Pentateuco: histórias, leis e exortações para você Gênesis 17.1; Êxodo 34.6-7; Deuteronômio 6.4 A lição em uma frase O Pentateuco foi escrito por Moisés, servo de Deus, como uma memória de Deus e de seus atos que oferece os fundamentos teológicos e antropológicos das Escrituras. Ao estudá-lo, compreendemos melhor quem é Deus, qual a sua vontade e mensagem para nós e o que ele – em Cristo – fez por nós e por nossa redenção. Por que você deve dar essa lição Caro professor, conhecer a Deus em seus atributos, características e propósitos, compreendendo o modo como ele estabeleceu um vínculo de amor e vida com o homem nos leva a adorá-lo e a desejar servi-lo com fidelidade e gratidão. Sendo assim, por que não começar o trimestre destacando a maneira como Deus, por intermédio do Pentateuco, se revela e age a favor e por meio do homem? Esse é um modo de despertar o interesse de seus alunos para o tema do trimestre e para uma consequente vida de maior devoção e serviço. Objetivos Ao final desta aula, seus alunos devem: • Conhecer o tema de estudo proposto para o trimestre e a sequência em que as lições serão desenvolvidas; • Identificar os livros que compõem o Pentateuco, quem os escreveu e com qual propósito; • Compreender que Deus é o centro da História e os homens são personagens que ele escolhe para cumprir seus propósitos; • Relacionar as narrativas do Pentateuco com a pessoa e a obra de Cristo; • Buscar conhecer profundamente a Deus, para servi-lo em obediência, gratidão e fidelidade, conforme os princípios estabelecidos no Pentateuco.   Lição 2   |   O majestoso Deus da criação Contemplando seu poder, somos chamados a adorar e obedecer Gênesis 1.1–2.4 A lição em uma frase O relato inicial de Gênesis apresenta o universo e a vida, em sua beleza, perfeição e esplendor, como obra do eterno e poderoso Deus, que, por meio de sua palavra, criou todas as coisas e as sustenta e controla conforme a sua vontade. Ele é digno de toda a nossa confiança, adoração e obediência. Por que você deve dar essa lição É bem possível que seus alunos já tenham sido expostos a teorias que atribuem a criação do universo e o surgimento (e continuidade) da vida ao acaso, a processos espontâneos e não planejados. Talvez tenham sido questionados sobre o assunto e talvez tenham suas próprias perguntas sobre o tema. Assim, tenha em mente o quanto é importante cada aluno compreender que todas as coisas que existem, em sua complexidade e perfeição, são fruto do planejamento e da intencionalidade do Deus eterno e poderoso. Isso vai ampliar seu conhecimento acerca do próprio Criador, fortalecer sua fé e sua confiança em Deus, além de esclarecer suas possíveis dúvidas sobre um tema que não é tão simples como pode parecer. Procure, com seu entusiasmo e convicção, incentivar leituras e estudos posteriores, pois há muito mais a ser explorado! Objetivos Ao final desta aula, seus alunos devem: • Compreender a criação como fruto da ação intencional e planejada de Deus, executada por meio de sua palavra; • Reconhecer a grandeza do Criador e Sustentador de todas as coisas, pelo estudo de alguns de seus atributos; • Compreender a encarnação de Cristo como a própria encarnação da palavra de Deus; • Confiar na fidelidade de Deus em cumprir todas as suas promessas; • Comprometer-se com uma vida de comunhão com Deus e obediência à sua Palavra; • Sujeitar-se, com alegria, ao governo e direção de Deus sobre sua vida e propósitos.   Lição 3   |   O desafio da obediência Relacionamentos. E o rompimento. Gênesis 1.26-30; 2.15-17 A lição em uma frase O homem foi criado à imagem e semelhança de Deus, para glorificá-lo, desfrutar da bênção de sua intimidade e representá-lo por meio de sua relação com os outros e com as demais coisas criadas, mas a desobediência de Adão trouxe o pecado e a morte, corrompendo esses vínculos, que somente podem ser refeitos pela obra redentora de Cristo, aplicada a nós pela pessoa do Espírito Santo. Por que você deve dar essa lição O relato da criação apresenta o modo especial como Deus abençoou o homem e se vinculou a ele de forma diferenciada e única. Mas o homem quebrou o pacto da vida, trazendo para si e para a raça humana o pecado e a morte, derrotados apenas por Cristo, na cruz. Mesmo para os que hoje estão em Cristo, obedecer é um grande desafio. Porém, é necessário lembrar que, nele, temos os pecados perdoados e nos tornamos novas criaturas, capazes de cumprir nossas responsabilidades para com Deus, para com os outros e para com o restante da criação. Você, professor, tem o privilégio de ser o portador dessa mensagem. Objetivos Ao final desta aula, seus alunos devem: • Conhecer os privilégios e responsabilidades que Deus colocou sobre nós, por meio dos mandatos da criação; • Reconhecer os mandatos da criação como princípios reguladores de todas as esferas da vida humana; • Compreender o pecado original como ato de desobediência que trouxe o pecado e a morte ao mundo e implicou a quebra dos mandatos instituídos por Deus; • Reconhecer que apenas em Cristo o homem pode ter seus pecados perdoados, tornando-se capaz de cumprir as ordenanças divinas e desfrutar da vida eterna; • Decidir-se por uma vida de obediência a Deus; • Louvar a Deus pela salvação imerecida.   Lição 4   |   Purificação e preservação Noé: o juízo de Deus harmonizado com seu amor gracioso e redentor Gênesis 6.1-9 A lição em uma frase Toda iniquidade tem como consequência a ira e o juízo de Deus, mesmo quando praticada pelos que lhe pertencem. A estes, porém, ele corrige e disciplina ao mesmo tempo em que reafirma sua graça redentora, manifestada na pessoa e obra de Cristo Jesus. Por que você deve dar essa lição Deus sempre zela por sua santidade. A disciplina e o juízo de Deus sobre nossa vida nem sempre são compreendidos como favor ou misericórdia. A natureza pecaminosa não apenas nos leva à prática da iniquidade como também nos predispõe a não aceitar com tranquilidade e submissão as intervenções de Deus, que têm o objetivo de nos corrigir e conduzir aos caminhos da retidão. É importante que tenhamos em mente a figura do bom pastor (Sl 23), que sempre conduz o rebanho ao melhor destino, guiando e protegendo, mas também buscando a ovelha que se distancia, a fim de que ela também desfrute dos pastos verdejantes. É preciso lembrar, e ensinar, que a ira de Deus se manifesta aos seus escolhidos, acompanhada sempre de sua infindável graça e amor. Objetivos Ao final desta aula, seus alunos devem: • Compreender que a iniquidade do homem tem como consequência a ira e o juízo de Deus; • Perceber que Deus aplica seus juízos tendo em vista a purificação e a detenção do mal; • Entender que, entre seu povo, os juízos de Deus sempre são acompanhados de graça e misericórdia, tendo um objetivo redentivo; • Compreender a disciplina de Deus como a maneira pela qual ele promove a santificação e a maturidade daqueles a quem escolheu; • Submeter-se com alegria e paciência aos atos de correção e disciplina do Senhor.   Lição 5   |   A formação do povo escolhido O Senhor chama, protege, aperfeiçoa e aprova Gênesis 12.1-9 A lição em uma frase Deus constituiu o povo de Israel para que fosse seu instrumento na continuação do plano de redenção. A esse povo o Senhor não apenas chamou, mas também protegeu, aperfeiçoou e aprovou, estabelecendo com ele uma aliança e revelando a ele e por meio dele sua glória, seu poder e sua vontade, diante de todas as nações. Somos, hoje, parte desse povo e devemos, em nossa caminhada, ser instrumentos de bênçãos. Por que você deve dar essa lição Saber que em Cristo nos tornamos parte de um povo escolhido, santificado e vocacionado para proclamar as virtudes de quem nos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz (1Pe 2.9) nos torna mais gratos, ousados e comprometidos diante dos desafios que nossa vocação apresentar. Objetivos Ao final desta aula, seus alunos devem: • Entender que a escolha de Abrão foi um ato da soberania de Deus e não resultado de mérito humano; • Perceber como Deus sempre sustentou e protegeu o povo que ele separou; • Identificar na história de Abraão e sua descendência o cuidado de Deus em fazê-los crescer em confiança e obediência; • Compreender que todos os que hoje são contados como parte do povo de Deus desfrutam dos mesmos privilégios destinados a Abraão e seus descendentes; • Agradecer a Deus pelo privilégio de serem escolhidos e chamados para fazerem parte de seu povo.   Lição 6   |   Confronto de poderes O poder de Deus nos livra dos poderes deste mundo e do pecado Êxodo 3 A lição em uma frase Assim como Deus libertou Israel da mais poderosa nação de sua época, ele continua mantendo sua bênção sobre seu povo por meio de Cristo, livrando-o e guardando-o dos poderes deste mundo e do pecado, protegendo-o e libertando-o das amarras de Satanás e dos que buscam o seu mal. Por que você deve dar essa lição A história de Moisés é extremamente rica em conceitos teológicos. Na experiência da sarça ardente, temos o Senhor se revelando, apresentando-se não apenas como o Senhor do passado, mas como o Deus da aliança, da qual se lembra e a qual cumpre. Na instituição da Páscoa, temos a tipologia do cordeiro, cujo sangue derramado livra da morte e provê libertação do povo escolhido, apontando para a salvação propiciada por Cristo, tanto da condenação eterna quanto do poder do pecado que tenazmente nos assedia em nossa vida cotidiana (Hb 12.1-2). A história de Moisés foi registrada para exortação, esperança e consolo de todo aquele que sinceramente busca correr fielmente a carreira que lhe foi proposta pelo Senhor. Ministre sua aula, professor, pensando no quanto seus alunos podem ser edificados e fortalecidos com o conteúdo de hoje. Objetivos Ao final desta aula, seus alunos devem: • Compreender como o conhecimento acerca da natureza de Deus é importante para nossa confiança nele; • Reconhecer o constante assédio ao qual os cristãos estão sujeitos; • Perceber que Deus providenciou livramento para o povo de Israel por intermédio de Moisés, assim como providencia livramento para seu povo por meio de Jesus; • Compreender que a indignação de Deus se manifesta contra os seus inimigos; • Identificar as áreas em que estão mais propensos a pecar; • Comprometer-se com uma vida de luta contra o pecado e toda forma de mal.   Lição 7   |   Direção para o povo de Deus Somos o povo da aliança, por isso temos essa maravilhosa lei Êxodo 20–24 A lição em uma frase Por causa da aliança e em cumprimento às promessas feitas aos patriarcas, Deus libertou Israel do Egito, com grandes manifestações de poder. Em resposta, o povo de Deus deveria conhecer seu caráter e sua vontade e, por meio do cumprimento da lei, andar em seus caminhos a fim de não ser alvo de sua disciplina e juízo. Por que você deve dar essa lição Leia o salmo 19. Perceba como a lei de Deus é descrita. Atente para o fato de que, na perspectiva do salmista, ela é muito mais do que um instrumento legal, um conjunto de ordenanças pesadas e difíceis de cumprir. Ela é fruto da graça e da revelação de Deus, fonte de alegria, contentamento e sabedoria. Ela é capaz de iluminar os nossos olhos, conduzindo-nos a uma vida de retidão e obediência ao Senhor, conforme princípios santos e eternos. Por meio da lei, conhecemos a Deus, conhecemos a nós mesmos e somos lembrados constantemente de nossas limitações e de sua grandeza. Ela nos quebranta. Precisamos conhecê-la melhor para melhor glorificarmos a Deus e servirmos às nações. Objetivos Ao final desta aula, seus alunos devem: • Lembrar-se das ações graciosas e poderosas de Deus em favor de seu povo; • Compreender que a lei revela o caráter de Deus e convoca o povo a viver de acordo com esse caráter; • Perceber, no conteúdo da lei, a confirmação dos mandatos criacionais; • Identificar os propósitos da lei; • Entender o valor perene da lei e da Palavra de Deus; • Comprometer-se com a obediência e com o ensino das Escrituras.   Lição 8   |   Comunhão com Deus através do culto Conhecendo e compreendendo nossa comunhão com o Senhor em Cristo Êxodo 25.1-9 A lição em uma frase Deus escolheu estabelecer comunhão com seu povo e habitar com ele. Com esses propósitos, ele ordenou e instruiu a construção do tabernáculo e estabeleceu o culto que lhe seria prestado e, a partir de tipos, símbolos e sombras, apontou para a vinda de Cristo e do Espírito Santo, de quem somos templo permanente. Por que você deve dar essa lição Depois da Queda e antes da construção do tabernáculo, Deus se revelava aos homens (teofania), mas não habitava entre eles. A comunhão havia sido quebrada no Éden e as manifestações de Deus eram recebidas com temor, pois o pecado do homem contrastava com a santidade de Deus e ele era naturalmente levado a esconder-se do Criador. Deus, porém, movido por sua graça, tomou a iniciativa de promover a comunhão com seu povo por meio do culto, realizado no tabernáculo, onde passou a habitar e se fazer presente durante a peregrinação de Israel. Mais tarde, já em Canaã, o templo passou a cumprir o papel antes desempenhado pelo tabernáculo. Esse, porém, não seria um arranjo permanente. Cristo se encarnaria e, depois de subir ao céu, enviaria o Espírito Santo para fazer da igreja o seu templo. Esse é um conjunto de verdades centrais da Teologia, mas nem sempre abordados. Compreendê-las não apenas ajuda a colocar nosso relacionamento e culto a Deus em uma perspectiva correta, mas também nos capacita a rejeitar e refutar o ensino e as práticas contemporâneas que desconsideram o fato de que, em Cristo, os objetivos do tabernáculo foram plenamente cumpridos. Há muitos movimentos que procuram trazer de volta rituais e cerimônias que não têm mais lugar entre o povo de Deus. Precisamos estar atentos e preparados para combater erros. E não há ferramenta mais poderosa para isso do que o conhecimento da verdade. Objetivos Ao final desta aula, seus alunos devem: • Compreender como as instruções para a construção do tabernáculo e para a realização do culto são representativas do desejo de Deus de estabelecer comunhão com o homem; • Perceber como Jesus concretiza toda a glória e propósitos estabelecidos para o tabernáculo de Deus; • Entender como esses propósitos estão presentes no culto que hoje prestamos ao Senhor; • Comprometer-se com a busca da comunhão constante com o Senhor; • Ansiar pelo glorioso encontro do Senhor com sua Igreja e preparar-se para esse dia.   Lição 9   |   Pecados do povo de Deus Murmuração, adoração corrompida, incredulidade. Confessar e mudar é preciso Êxodo 16.1-10 A lição em uma frase A história de Israel é marcada por muitos momentos em que a comunhão com Deus foi manchada pelo pecado. As maravilhosas experiências com o Senhor não impediram o povo de murmurar, corromper seu culto e duvidar da providência divina. A história se repetiu no Novo Testamento com os discípulos, que também tropeçaram e pecaram. Devemos guardar nosso coração e cuidar para que o mesmo não aconteça conosco. Por que você deve dar essa lição Embora, em Cristo, estejamos livres da morte eterna, não estamos livres da consequência do pecado. Então é necessário manter a vigilância e o renovado desejo de, em tudo, sermos fiéis ao Senhor. É preciso examinar e guardar constantemente o coração (Pv 4.23; Jr 17.9). O coração do homem é uma fábrica de ídolos, já dizia Calvino em suas Institutas (Cultura Cristã), no século 16. E embora o contexto seja de ídolos como imagens, objetos, a verdade é que tudo que o homem estabelece como central em sua vida e que ocupa a primazia devida ao Senhor se constitui em idolatria. Esse é um sério pecado, tratado com rigor nas Escrituras e, infelizmente, muito praticado nesse nosso tempo. E a ele está ligada uma série de outros pecados, como a murmuração, a incredulidade e a desobediência. Deus deve ser o alvo do nosso olhar, o centro dos nossos desejos, a fonte da nossa fé. As demais coisas devem ser secundarizadas e tratadas a partir dessa perspectiva, garantido, assim, que vivamos em confiança e fidelidade, submissos a ele e à sua vontade. Nós o convidamos a encarar esse desafio e a ajudar seus alunos a fazerem o mesmo. Objetivos Ao final desta aula, seus alunos devem: • Identificar, na história de Israel, os pecados da murmuração, da idolatria e da incredulidade e o modo como Deus lidou com eles; • Compreender como esses pecados constituem um desafio para o povo de Deus em todas as épocas e como eles podem se manifestar em nossos dias; • Perceber a necessidade de sondar cotidianamente o coração, para não caírem nos mesmos erros cometidos por Israel; • Entender a vigilância, a oração e o estudo das Escrituras como práticas necessárias na luta contra o pecado; • Identificar as manifestações dos pecados da murmuração, da idolatria e da incredulidade em sua vida; • Comprometer-se com uma vida centrada em Deus e em sua Palavra, como maneira de combater o pecado.   Lição 10   |   Derrotas e vitórias na peregrinação Obediência é a chave para o sucesso Êxodo 17.8-16 A lição em uma frase Os cristãos são chamados a servir a Deus como parte de seu exército e, como tal, enfrentarão batalhas que, mesmo difíceis, podem ser vencidas por meio de Cristo, desde que haja fidelidade e obediência. Por que você deve dar essa lição Uma das declarações mais inspiradoras para os que lutam para se manterem fiéis em sua caminhada cristã encontra-se nas palavras escritas pelo apóstolo Paulo a seu jovem discípulo Timóteo (2Tm 4.7), quando ele afirma que combateu o bom combate, terminou a carreira e guardou a fé. Certamente, poder repetir essa afirmação no fim dos dias é uma aspiração de todos os que sinceramente amam a Deus. Os desafios, porém, são muitos. O homem é cada vez mais conduzido a olhar para si, pensar primeiro em suas próprias necessidades, descobrir e utilizar seu potencial em seu próprio benefício, buscar sua própria satisfação. Haverá espaço para uma vida pautada na direção de Deus, no serviço a ele e ao próximo? É possível vencer as inclinações egoístas da carne e a tendência de confiar na capacidade humana e na força de suas realizações? É possível confiar em Deus em meio às batalhas da vida? Estude esta lição com temor, medite sobre cada texto, busque outros materiais de apoio e renove sua confiança de que em Deus é possível, sim, combater o bom combate e vencer a carreira. Uma vez renovado em suas convicções, certamente você inspirará seus alunos a fazerem o mesmo. Objetivos Ao final desta aula, seus alunos devem: • Perceber como, na história de Israel, vitórias ou derrotas resultavam da obediência ou da desobediência do povo; • Compreender que a força de Israel decorria da bênção de Deus, não de seu poderio militar.   Lição 11   |   As lições da história Deus dirige e cuida. Nós obedecemos Deuteronômio 1–4 A lição em uma frase Os quarenta anos de peregrinação do povo no deserto formam um rico depósito de experiências e lições da parte de Deus, sobre as quais devemos meditar a fim de orientar e fortalecer nossa fé, pois Deus conduz seu povo e molda nosso coração por meio de eventos. É a essa reflexão que o primeiro discurso de Moisés registrado em Deuteronômio nos convida. Por que você deve dar essa lição As experiências vividas pelo povo de Israel em sua curta história já se constituíam em um material muito útil para ensinar a geração que entraria em Canaã sobre como deveria se relacionar com o Deus que os havia escolhido e trazido até ali. Portanto, o discurso de Moisés tinha uma orientação pedagógica muito clara: compreendam os princípios, sigam os bons exemplos e se distanciem dos erros cometidos por seus pais. Assim agradarão ao Senhor. E essas orientações são claramente aplicáveis a nós, pecadores limitados, porém, desejosos de conhecer e agradar mais ao Senhor. Não devemos ignorar as lições da História. Objetivos Ao final desta aula, seus alunos devem: • Perceber as intenções de Moisés ao discursar ao povo antes da entrada em Canaã; • Entender que devemos aprender com as experiências dos que nos antecedem; • Compreender que Deus é o Senhor da História; • Perceber como Deus cuida dos seus em meio às dificuldades; • Aceitar a vontade de Deus como agradável, boa e perfeita; • Comprometer-se a buscar nas Escrituras os princípios e exemplos para sua vida.   Lição 12   |   Bênçãos e maldições... e Cristo Desafios ilimitados a um povo limitado (e a solução) Deuteronômio 27–28 A lição em uma frase Em todo o Pentateuco, é possível ver como Israel foi ensinado sobre a necessidade de caminhar fielmente em seu relacionamento com Deus, comprometendo-se com a obediência à lei e com a justa disciplina do Senhor. Também foi ensinado sobre as bênçãos que a comunhão com Deus promove e sobre as maldições das quais ela livra. Somos chamados a trilhar esse mesmo caminho, como povo de Deus formado em Cristo. Por que você deve dar esta lição Esta, como todas as lições já estudadas, tem um conteúdo riquíssimo e extremamente relevante para a atual geração do povo de Deus. Conhecer e reconhecer que sobre nós não pesa mais condenação por causa daquilo que Deus fez em nós e por nós por meio da obra de Cristo deve promover em cada coração uma gratidão sem medidas e um desejo ardente de viver para sua glória. Como Paulo, podemos reconhecer quem somos e respirar aliviados ao declararmos: “Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte? Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor” (Rm 7.21-25). Sobre nós, cristãos, nenhuma maldição há. Ao mesmo tempo, é de vital importância que a igreja perceba sua responsabilidade de viver segundo os princípios das Escrituras, que não permitem uma vida descompromissada e alheia à vontade de Deus, apesar da plena convicção da sua graça derramada em nós e pela qual podemos ter a certeza da salvação eterna. Temos respostas a dar ao Senhor, diariamente, sobre o que faremos diante de tão grande salvação! Disponha-se como instrumento de Deus para ensinar aos seus alunos essas verdades tão importantes. O seu trabalho, professor, é uma boa resposta à graça de Deus. Objetivos Ao final da lição, o aluno deverá: a) Entender a natureza do ofício profético do Antigo Testamento; b) Possuir uma visão panorâmica dos temas abordados nos Profetas Maiores; c) Desenvolver seu relacionamento com Deus por meio de Cristo a partir das instruções dos profetas.   Lição 13   |   A redenção prometida O evangelho anunciado no Pentateuco Deuteronômio 29–30 A lição em uma frase Ao final do Pentateuco, Moisés se despede do povo chamando-o ao compromisso com o Senhor, mas também apresentando sua graciosa oferta de misericórdia. Essa misericórdia tem suas raízes na eternidade e se manifestou em Jesus, que nos resgatou do pecado e trouxe a redenção. Moisés anunciou Jesus e o evangelho para que ele fosse a principal segurança de Israel e de todo o povo de Deus ao longo dos séculos. Por que você deve dar essa lição A Bíblia é cristocêntrica. Cristo emana de suas páginas e tudo tem a ver com ele e com a história da redenção humana, sobre a qual ele afirmou, no momento anterior à sua morte: “Está consumado” (Jo 19.30). O anúncio da vinda de Cristo, que permeia toda a Escritura, foi responsável por manter em Israel a esperança de salvação e libertação, embora nem todos as tenham compreendido em seu sentido espiritual. Cristo continua sendo nossa certeza e esperança: esperança de vitória sobre o pecado e sobre as dificuldades; certeza de vida eterna. É por causa dele que o cristão permanece firme, mesmo nas condições mais adversas da vida. Objetivos Ao final desta aula, seus alunos devem: • Entender que as Escrituras nos revelam tudo o que precisamos saber sobre o Senhor e sobre a história da redenção cumprida em Cristo; • Compreender que a salvação é concedida pela graça e deve ter como resposta uma vida de comprometimento com aquele que nos escolheu; • Entender que a salvação e as transformações operadas pelo Espírito Santo na vida dos cristãos não eliminam a tentação; • Perceber a necessidade de recorrer à misericórdia de Deus, tanto para livrar do pecado como para obter perdão pelos pecados cometidos; • Alegrar-se com o privilégio de terem sido convertidos ao Senhor; • Comprometerem-se com uma vida de vigilância e busca de santidade.
Abrir Chat